Recebi “feedbacks”, críticas e questionamentos interessantes sobre ATLANTE. Por exemplo, porque a página é no formato “paisagem” e não na vertical, como de hábito? Eis a resposta. Optei pelo lay-out de página horizontal por considerá-lo mais adequado a essa mídia e ao tipo de história que quero contar. Visto que a maior parte dos acessos ainda é feita por notebooks e desktops, a página aparece inteira de imediato.  Não é necessário fazer scroll-downs frequentes, por exemplo. Preferência minha, acho que fica mais agradável de ler.

Outros  leitores reportaram a sensação de haver quebra na narrativa entre as páginas. Creio que aí cabe mais uma explicação sobre o meu processo de criação. ATLANTE não é uma revista nem está sendo produzida como tal. Não é uma história completa da qual estou publicando uma fatia por semana. ATLANTE está sendo feita para a mídia a que se destina (internet), com a frequência de atualização que me permito. Tendo que publicar uma página por semana, procurei inspiração nas páginas de quadrinhos das edições dominicais dos jornais americanos, principalmente as antigas séries de aventura como Flash Gordon, Tarzan, Terry e os Piratas, etc. Nelas, via de regra havia um “gancho” no final para criar expectativa no leitor e fazê-lo continuar acompanhando a história no domingo seguinte. É o que tento fazer em ATLANTE. Atiçar em você, leitor, o interesse em retornar ao site para ver as páginas seguintes.

Os resultados podem, de fato, ser melhores, minimizando o efeito geral de salto na narrativa. É possível, sim, chegar a uma experiência mais fluida de leitura sem abrir mão do “gancho” final de cada página. Vou trabalhar para isso.

Em suma, de volta à prancheta! Quarta-feira está chegando!